44 3252-1177

contato@oregionaljornal.com.br

O Documento do Historiador: o legado dos Annales:

Toda profissão possui um material básico para nortear o trabalho, para aplicar seus métodos e para colher resultados. Por exemplo: o químico trabalha e estuda a composição e as propriedades de uma determinada matéria e atua no desenvolvimento de novos materiais, aplicando testes de qualidade em produtos. O matemático tem números, dados, quantidades, estruturas, espaços, modelos e mudanças para aplicar formas de cálculo e obter resultados.



Estes são, digamos assim, os documentos - os materiais básicos - de algumas ciências. E quanto à ciência da história, qual é o seu documento? Partimos do pressuposto que a História enquanto disciplina é uma ciência, com elaborações teóricas e métodos analíticos para se chegar a resultados mais precisos possíveis a respeito da vida do homem no tempo e no espaço. A descoberta dos Annales é que os documentos dessa ciência riquíssima podem ser encontrados em qualquer lugar, literalmente.



Vejamos isso melhor. Jacques Le Goff (1924-2014), foi um profícuo historiador francês, conhecido como um grande medievalista. Era membro da famosa Escola dos Annales - movimento historiográfico do século XX - e dedicava-se à antropologia histórica. Isso era evidenciado pelo seu trabalho sobre as mentalidades. Além disso, Le Goff contribuiu muito para a produção da ciência da História com conceitos como “Documento” e “Monumento”, encontrados em sua obra História e Memória, publicada em 1988 e que reúne outros diversos ensaios interessantes do autor. É dele também que tiramos a compreensão de que o campo documental da história é mais amplo do que se pensa comumente.



Em primeiro lugar, Le Goff, embebido da tradição dos Annales, vai defender que a ciência da História é dependente de certo tipo de material, isso é, “(...) a história não teria sido possível se este último (passado) não tivesse deixado traços”; e, em segundo lugar, é a estes traços que Le Goff entende como os “Monumentos”, uma espécie de suporte geral da memória coletiva, que nos deixa, não somente em forma de textos e demais estilos literários, mas também através de objetos, corpos, músicas, artes, arquitetura, engenharia; a expressão da “arte e vida” do que já se foi. Em terceiro lugar, entendemos melhor essa noção ampla de documento em Le Goff a partir da diferença de compreensão entre os Annales e os Positivistas na discussão a respeito de documento e/ou monumento.



Enquanto os Annales e Le Goff defendem que tudo - desde um par de chinelos até uma carta em um garrafa de vinho boiando no oceano - pode ser um documento, os Positivistas pensavam ser documento somente aquilo que era registrado de forma escrita. Para os Annales, um cachimbo pode ser um documento, que enquanto não recebe a devida atenção ou “toque” de seleção e análise detida do historiador permanece como “monumento” da herança do passado.



Porém, a partir da separação e uso metódico feita pelo historiador, o cachimbo também se torna em matéria prima para a produção histórica, em documento; “os documentos” disse Le Goff, é a “escolha do historiador.” Os positivistas pensavam diferente assim muitos arquivistas modernos ainda pensam como eles.



Fustel de Colanges (1830-1889) historiador francês positivista entendia, como a maior parte dos historiadores de mentalidade positivista, que vale a assertiva “documento=texto”, ou seja, que a escolha do historiador naquilo que usa como objeto de investigação deve estar pautada na premissa de veracidade objetiva de textos, leis, cartas, fórmulas e crônicas. Por exemplo: para os positvistas, não importa se há uma descoberta de uma senzala em pleno funcionamento no final do século XIX, o que importa é que na lei, em registro escrito e oficial, a escravidão foi nacionalmente abolida no Brasil a partir de 1888.



Isso é análise positivista, que ignora a amplitude do conceito documento e o circunscreve apenas a textos frios e reducionistas da riqueza da realidade. Isso, posteriormente, resultou numa ausência de crítica documental por parte dos positivistas. Com a chegada da Revolução Documental em 1929 pela Escola dos Annales, a grande e famosa premissa positivista encontrada no prefácio à obra coletiva L’histoire et ses méthodes, de Samaran de que “Não há história sem documentos” foi posta em cheque pelos Annales, na pessoa de Lucian Febvre (1878-1956) quando escreveu em resposta: “Não há história sem problemas!”.



Isto é, que primeiro, monumentos (entenda-se em seu sentido amplo) também são fontes de vestígios de memórias passadas e muito importantes à construção da narrativa histórica, e que depois, os textos não devem ser aceitos somente pelo ônus de ser um texto oficial, mas deve passar por uma crítica e exame especial, por uma problematização.



Resumindo, esses são os dois legados dos Annales para a construção de uma ciência da História: ampliação do conceito de monumento como tudo o que o homem produz no tempo e espaço, especificação do conceito de documento como a aplicação de teorias e métodos em qualquer monumento separado (abstractio) pelo historiador e a crítica textual contextualizada pelos demais vestígios históricos, ou para usar as palavras de Marc Bloch, através dos “materiais fornecidos por gerações passadas.”

Mais Notícias:
  • 20/04/2021 - Moradores de Santo Inácio, Santa Inês e Itaguajé ...
  • 20/04/2021 - Prefeitos se mobilizam para manter comércio fecha...
  • 20/04/2021 - Mandaguaçu dá largada na Operação Regional do 4º ...
  • 20/04/2021 - Cuba, PCC e a liberdade religiosa: a tragédia da ...
  • 20/04/2021 - Pandemia provoca mudança no número de nascimentos...
  • 20/04/2021 - Instituto de Criminalística começa a funcionar jun...
  • 20/04/2021 - DER publica edital para duplicação da PR 317 de Ig...
  • 20/04/2021 - Núcleo Feminino da Cocamar doa fraldas e álcool a ...
  • 20/04/2021 - Em Floresta, a Prefeitura entrega a primeira casa...
  • 13/04/2021 - PR-542 entre Colorado e Itaguajé recebe obras de ...
  • 13/04/2021 - Santa Casa recebe doação de R$ 5 mil do Instituto...
  • 13/04/2021 - Coluna História e Sociedade - O primeiro jogo de f...
  • 13/04/2021 - Prefeitura abre frente de trabalho reforma do Galp...
  • 13/04/2021 - Alunos da Rede Municipal de Ensino recebem ovos d...
  • 13/04/2021 - Doação recebida com sucesso!
  • 13/04/2021 - Crianças da rede municipal recebem Ovos de Páscoa
  • 06/04/2021 - ONG Ninho da Águia é Arte...é Vida!
  • 06/04/2021 - Deputada Aline Sleutjes e deputado Neri Geller de...
  • 06/04/2021 - O Documento do Historiador: o legado dos Annales
  • 06/04/2021 - Senadores Oriovisto e Simone Tebet (MS) apoiam a R...
  • 06/04/2021 - Colorado promove campanha alusiva ao Dia Mundial d...
  • 06/04/2021 - Em Itaguajé aconteceu carreata em defesa da vida ...
  • 30/03/2021 - Deputado de primeiro mandato é o 3º parlamentar m...
  • 30/03/2021 - Porto Rico oferece Infraestrutura no Rio Paraná
  • 30/03/2021 - Qual o propósito da História como disciplina?
  • 30/03/2021 - Deputada Aline Sleutjes visita Confederação Nacion...
  • 30/03/2021 - Em Colorado, Hospital Santa Clara está cada vez ma...
  • 30/03/2021 - Profissionais da Santa Casa são homenageados pela ...
  • 30/03/2021 - Copel conclui nova linha de energia que conecta Pa...
  • 23/03/2021 - Nova Esperança emplaca Canteiro de Obra ou Frente...
  • Endereço Rua Lord Lovat, 500 - Centro Nova Esperança-PR | CEP: 87600-000 Fone: (44) 3252-1177
    Desenvolvimento Hnet Sistemas