44 3252-1177

contato@oregionaljornal.com.br

Prefeituras devem se unir em consórcio para emissão do licenciamento ambiental:

Pelo menos metade das 30 cidades que compõe a Associação dos Municípios do Setentrião Paranaense (Amusep) deve se unir em consórcio para atender a Lei Complementar 140, que normatiza a organização do sistema nacional de meio ambiente e define como competência das prefeituras a liberação de licença ambiental para empreendimentos de menor porte, que provoquem impacto ambiental, somente de âmbito local.



O assunto foi debatido no dia oito de agosto na sede da Amusep, em Maringá, com a presença dos prefeitos da maioria das cidades da região; do secretário estadual de Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, Márcio Nunes; do presidente do Instituto Ambiental do Paraná (IAP), Everton Luiz da Costa Souza; e outras autoridades representando instituições relacionadas ao meio ambiente no Paraná.



Segundo o presidente da Amusep, prefeito de Atalaia, Fábio Fumagalli Vilhena de Paiva, “nossa entidade está preocupada com o assunto há vários anos e foi uma das primeiras do Brasil a iniciar a organização de consórcios para possibilitar que os municípios menores tenham condições de atender a Lei sem sacrificar as finanças das prefeituras”.



Foi a partir desta necessidade que os prefeitos da região decidiram pela criação do Consórcio Intermunicipal de Gestão da Amusep, o Pró-Amusep, com o objetivo de viabilizar ações que as prefeituras trabalhariam em parceria, como a conservação de estradas rurais, administração da iluminação pública, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) regionalizado, instalação de aterros sanitários e a emissão de licenças ambientais.



Segundo Fábio Vilhena, para atender a Lei Complementar, a prefeitura precisa investir na estruturação do setor, ampliando o quadro funcional com a contratação de novos profissionais, como engenheiro ambiental e engenheiro agrônomo, além de outros técnicos. “Municípios pequenos, como é o caso de Atalaia, onde sou prefeito, têm as finanças no limite e não dispõem de condições de contratar estes profissionais de nível superior”, destaca.



O secretário estadual de Desenvolvimento Sustentável, Márcio Nunes, disse que o atual governo é favorável à política de consórcios para a solução de demandas coletivas regionais, sobretudo porque os pequenos municípios não podem investir em contratação de profissionais e os recursos devem ser empregados em outros benefícios para a população. De acordo com ele, “o consórcio tem autonomia para contratar e os mesmos profissionais podem atender várias prefeituras sem que isto torne-se um peso às finanças municipais”.



Márcio Nunes ressalta que o Pró-Amusep está adiantado e com poucas adequações pode oferecer às prefeituras uma equipe gabaritada para realizar os licenciamentos ambientais dentro das exigências do Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama). O secretário acrescenta que a união, em consórcio, pode ser o primeiro passo para a administração de resíduos sólidos com aterros regionalizados, como acontece em outras regiões do País.



Colaboração
O prefeito de Maringá, Ulisses Maia, afirma que, desde 2017, o município criou a estrutura para atender a Lei Complementar 140, com a contratação, por meio de concurso público, de engenheiro ambiental, mais um agrônomo e outros técnicos. “Nossa equipe pode ser útil para ajudar na consolidação de um consórcio regional, pois reúne experiência e conta com profissionais que estão à disposição”, diz.



Além de Maringá, Mandaguaçu, Marialva, Nova Esperança, Sarandi e Paiçandu conseguiram se estruturar para atender às exigências da LC 140. O presidente do Pró-Amusep, prefeito de Ângulo, Rogério Aparecido Bernardo, acredita que pelo menos 15 das 30 prefeituras da Amusep devem optar pelo consórcio. Fonte: Amusep Luiz de Carvalho



Fonte: Jornal O Regional
Mais Notícias:
  • 30/06/2020 - Prefeito de Atalaia, Fábio Vilhena entrega novo h...
  • 30/06/2020 - Hospital mantido por Itaipu comemora a oitava alta...
  • 30/06/2020 - ESTILO COWBOY
  • 30/06/2020 - A compaixão cristã
  • 30/06/2020 - Como posso começar minha campanha?
  • 30/06/2020 - Dash Board é a nova ferramenta de enfrentamento a...
  • 30/06/2020 - Primeira Fazenda Urbana do Brasil é inaugurada em ...
  • 30/06/2020 - Com investimentos de quase R$ 2,6 milhões Nossa S...
  • 30/06/2020 - UFPR doa 305 litros de álcool glicerinado para a S...
  • 30/06/2020 - Parte da renda dos peixes comercializados será rev...
  • 23/06/2020 - ACIM doa 5 mil máscaras N95 para os municípios da ...
  • 23/06/2020 - Companhia da PM em Mandaguaçu recebe fuzil para r...
  • 23/06/2020 - O Coração de Nova Esperança é Sagrado
  • 23/06/2020 - Acidente automobilístico leva a óbito o médico
  • 23/06/2020 - Refúgio Biológico de Itaipu volta a receber turist...
  • 23/06/2020 - Uma agenda cristã para os nossos problemas sociais
  • 23/06/2020 - A Ação que Conquista Eleitores
  • 23/06/2020 - Condutas vedadas aos Agentes Públicos
  • 23/06/2020 - Nossa Senhora das Graças valorizando “Pratas da Ca...
  • 23/06/2020 - Parque Industrial III de Nova Esperança será pavi...
  • 23/06/2020 - Cancelado o Festival Nacional de Corais de Color...
  • 16/06/2020 - Pedestres já utilizam pista de caminhada no entorn...
  • 16/06/2020 - Colorado entrega novo Centro de Fisioterapia
  • 16/06/2020 - Deputados querem políticas de incentivo para o Ter...
  • 16/06/2020 - Viveiro Municipal está passando pelo processo de r...
  • 16/06/2020 - HU/UEL inaugura primeira fase do Hospital de Retag...
  • 16/06/2020 - A racionalização da ganância
  • 16/06/2020 - Jardim Olinda reduz significativamente o número de...
  • 16/06/2020 - Psicóloga dá dicas de como se manter produtivo e ...
  • 16/06/2020 - Não peça Votos; Conquiste Eleitores
  • Endereço Rua Lord Lovat, 500 - Centro Nova Esperança-PR | CEP: 87600-000 Fone: (44) 3252-1177
    Desenvolvimento Hnet Sistemas